Pense e Viva

Trazei-me um tangedor

Ora, pois, trazei-me um tangedor. E sucedeu que, tangendo o tangedor, veio sobre ele à mão do Senhor. E disse: Assim diz o Senhor: Fazei muitas covas neste vale. Porque assim diz o Senhor: Não vereis vento e não vereis chuva; todavia, este vale se encherá de tanta água, que bebereis vós e o vosso gado e os vossos animais.” (2Reis 3:15:17)

Erros de cálculo acontecem, problemas de percurso também. Foi exatamente o que aconteceu na história de onde retiramos os versículos acima.

O texto completo (2 Reis 3:1-27) fala da associação de Jorão, rei de Israel, com Josafá, rei de Judá e o rei de Edom, a fim de sair à guerra contra Mesa, o rei dos moabitas. Este, após a posse de Jorão, depois da morte do seu pai, o rei Acabe, negou-se a continuar pagando tributos a Israel.

Os três reis definem o trajeto a seguir e decidem ir pelo deserto de Edom. Porém, após sete dias de caminhada o planejamento se mostra falho e a água termina, deixando o exército e o gado condenados á morte. O caos se instala, o desespero e a murmuração tomam conta do acampamento, a morte começa a ser sentida no ar. Parecia que o fim havia chegado, parecia que o deserto seria a cova de todos eles.

Diante da crise instalada, Jorão, rei de Israel, transfere para Deus a culpa pela situação em que se encontram. Enquanto isso, Josafá, rei de Judá, sugere que se encontre um profeta para que esse busque qual a direção de Deus para solucionar o problema.

Lembraram então do profeta Eliseu e foram até ele. Lá chegando, o profeta aceita, por causa do coração de Josafá, consultar ao Senhor. Mas antes disso ele pede algo aparentemente inusitado…Trazei-me um tangedor!

Isso mesmo, o profeta pede que trouxessem até ele um tocador de harpa. O que ele queria com isso? O exército e o gado morrendo no deserto, uma situação desesperadora e urgente, e o profeta, pede música.

Embora o pedido do profeta possa parecer estranho, ele era de suma importância. Ele precisava ouvir a voz de Deus, precisava saber qual direcionamento Deus daria a aquele caos.

Mas para ouvir a voz de Deus, era necessário criar um ambiente de adoração. Era necessário calar as vozes de desespero, fazer cessar a murmuração e as palavras de morte que estavam sendo proferidas naquele lugar.

E então, quando o tangedor começa a tocar a sua harpa e outro tipo de som começa a tomar o ambiente, o Espírito de Deus vêm sobre o profeta e o Senhor lhe revela a solução do problema.

Esse texto é riquíssimo em detalhes e revelações para o nosso dia a dia, não quero detalhar todos os pontos pois isso tornaria nosso texto muito extenso, mas gostaria que ficasse latente o quanto é importante termos a direção de Deus para a nossa vida, e como é, igualmente importante, viver em um ambiente de adoração para que possamos ouvir a Sua voz.

Todos nós enfrentamos crises, todos nós passamos por problemas de planejamento e de percurso. Mesmo que tenhamos planejado tudo com muito cuidado, problemas podem acontecer pelo caminho.

Ninguém abre uma empresa pensando em falir, ninguém casa pensando em separar, ninguém começa num trabalho pensando em ser demitido, ninguém planeja contrair uma enfermidade, mas essas coisas podem acontecer no decorrer de nossa vida. Jesus disse que no mundo teríamos aflições, mas que deveríamos ter bom ânimo. (João 16:33) Repare que Ele usa o plural, aflições, podem ser várias e muitas vezes ao mesmo tempo.

O fato de sermos cristãos não nos isenta de passar por momentos difíceis, a questão não é: “por que eu tenho que passar por tribulações?” mas sim: “como eu me comporto enquanto passo pelas tribulações”.

Muitos, assim como o rei Jorão, culpam a Deus pelas suas tribulações; falam o tempo inteiro, se lamentam, murmuram, proferem palavras de morte, profetizam o seu próprio fim, criam ao seu redor um ambiente tóxico e nocivo. Enquanto isso, outros são como o rei Josias, sabem que a solução está em Deus e correm em busca do Seu auxílio.

Nos momentos de lutas e crises precisamos estar ainda mais atentos ao direcionamento que Deus nos dará, a saída para o problema, à estratégia para a vitória, virá do Senhor. O problema é que muitas vezes não ouvimos o Seu direcionamento por causa do ruído que criamos á nossa volta.

Precisamos mudar o ambiente ao nosso redor. Precisamos fazer calar a murmuração através da adoração. Precisamos aprender a adorar na tribulação.

Adorar é muito mais do que cantar ou ouvir canções, adorar é continuar fazendo o melhor, é continuar declarando que o Senhor está no controle, é mostrar, através das nossas palavras e atitudes que nossa fé não está condicionada à ausência de problemas.

O nível da nossa adoração num momento de crise determina o nível de nossa fé!

Você está enfrentando alguma tempestade em sua vida? O cenário que você está inserido parece ser de morte? Parece que alguma coisa chegou ao fim?  Então é hora de mudar o ambiente, é hora de declarar que o Senhor têm a solução.

A adoração cala as vozes das trevas e nos faz sensíveis á voz de Deus.

Comece a adorar ao Senhor agora, e preste bem atenção…Deus está querendo lhe dizer algo.

Pense nisso e ponha em prática.

Que o Senhor Jesus te abençoe.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  • Sábias palavras, e é isso mesmo, deixamos de adorar, deixamos de ter comunhão com Deus , temos que aprender a confiar e passar pela luta com sabedoria ouvindo o que Deus tem para nós.

  • Esse nosso paizinho Soberano penssa em tudo, ele cuida de nós com todos os detalhes, por isso que amo deixar ele dirigir a minha vida, linda msg, Parabéns,presizamos aprender a confiar nele, é tremendo o que ele faz, em meio a luta ele tem o refrigério,

  • Verdade Elisabeth,nada melhor do que descansar em Deus.
    Obrigado pelo comentário e por acessar o blog. Deus abençoe grandemente a sua vida.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Alguns campos com * são obrigatórios.








AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na leitura acima, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.