Pense e Viva

O que queres que eu te faça?

“E depois, foram para Jericó. E, saindo ele de Jericó com seus discípulos e uma grande multidão, Bartimeu, o cego, filho de Timeu, estava assentado junto do caminho, mendigando.
E, ouvindo que era Jesus de Nazaré, começou a clamar, e a dizer: Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim.
E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava cada vez mais: Filho de Davi! tem misericórdia de mim.
E Jesus, parando, disse que o chamassem; e chamaram o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, que ele te chama.
E ele, lançando de si a sua capa, levantou-se, e foi ter com Jesus.
E Jesus, falando, disse-lhe: Que queres que te faça? E o cego lhe disse: Mestre, que eu tenha vista.
E Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E logo viu, e seguiu a Jesus pelo caminho”.
(Marcos 10: 46-52)

 Às vezes Jesus parece brincar com coisa séria. Imagine perguntar para um cego: “o que queres que eu te faça?” O que poderia querer um cego? Uma bengala nova, um cão guia, ou quem sabe um chapéu novo para receber as esmolas?

Quando pensamos de forma óbvia, um cego não teria outra coisa a pedir que não fosse voltar a enxergar. Mas se pararmos para analisar o contexto e as implicações que essa cura traria, percebemos que a pergunta de Jesus é bastante séria.

A cegueira limitava não somente a visão de Bartimeu, todo o seu papel como pai de família e provedor do lar também ficava comprometido. A doença obrigava o cego a ganhar a vida, literalmente, à margem do caminho, pedindo esmolas.

Ser curado devolveria a ele não somente a hombridade, como o habilitaria ao mercado de trabalho; o forçaria a deixar a condição de mendigo, que depende da caridade das pessoas, para conquistar seu sustento através do seu próprio esforço.

Quando Jesus perguntou “o que queres que eu te faça?” estava querendo saber o que Bartimeu realmente queria, pediria ele um milagre ou uma esmola? Jesus queria saber se o cego desejava receber uma solução total ou se ele se contentaria com uma solução parcial para o seu problema.

Receber uma esmola ajudaria a saciar as suas necessidades daquele dia, porém no dia seguinte ele teria que voltar à beira do caminho para pedir novamente. Mas pedir a cura mudaria sua vida para sempre.

E você, qual seria a sua resposta se Jesus perguntasse pra você hoje: “o que queres que eu te faça?” Você pediria o que realmente precisa, ou pediria uma “esmola”?

Pode parecer brincadeira, mas muitos cristãos hoje vivem de esmolas, pedindo para Deus coisas que não resolvem o seu verdadeiro problema, pedem coisas superficiais, que trazem alívio e prazer momentâneo. É como pedir que Deus cure a ressaca mas não pedir que Ele liberte do vício. Preferem muitas vezes pedir esmolas, por que o milagre traz consigo a necessidade de uma mudança de atitude, e é mais fácil se acostumar a receber todo dia um pouquinho do que mudar radicalmente e jogar a capa para o lado, como fez Bartimeu.

Deus quer nos dar muito mais do que uma esmola, mas muitos não querem abandonar a velha forma de viver.

“Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça”. (2 Coríntios 9:10)

Se você pede pão, Deus te dará pão, você comerá hoje e amanhã clamará por pão novamente. Mas se você pede semente, é isso que receberá de Deus. Você terá trabalho, terá que preparar a terra e plantar, esperar as chuvas e colher, mas depois de se esforçar tanto será recompensado, terá trigo que se transformará em muitos pães, para muitos dias e para alimentar muita gente.

Temos a tendência de pedir a Deus somente aquilo que gostamos, quando deveríamos pedir também aquilo que precisamos!

Precisamos fazer uma autoanálise e meditar profundamente em como tem sido nossas orações. O que temos pedido ao Senhor? Estamos dispostos a pedir algo que realmente precisamos, mas que resultará numa mudança radical em nossa vida ou vamos nos contentar em viver como mendigos espirituais?

Precisamos pensar seriamente nisso, pois o Senhor espera uma resposta: “o que queres que eu te faça”?

Pense nisso e ponha em prática!

Que o Senhor Jesus te abençoe.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Alguns campos com * são obrigatórios.








AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na leitura acima, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.